sábado, 18 de agosto de 2012

Quem está de passagem, só está de passagem

Quando pequena olhava as nuvens, curiosa. Tantas coisas elas poderiam ser! Cachorro, dinossauro, passarinho passeavam livres pelo céu. Cachorro, dinossauro e passarinho nuvens.  Bonito ser nuvem, pensava. Poder ser o que quiser a qualquer hora, ao sabor do vento. Será que a consistência de se viver inconsistente vale a pena?

(...)

Quando adulta isso já não contava mais. Nuvens são passageiras. Chegam, fazem-se bonitas, alegram alguns dias e se vão. Pra sempre. Já não são mais cachorro, dinossauro ou passarinho. São qualquer outra coisa indecifrável que se forma ao nascer de outro dia. E é muito difícil entender que aquela nuvem que parecia fixada no seu céu, desabou em tempestade.

(...)

Tempestades são passageiras assim como nuvens? Sim, elas são. São passageiras mas deixam um visível rastro de destruição.

O  que você vai fazer pra consertar as portas e janelas quebradas?

Nenhum comentário:

Postar um comentário